Quando descobri que existia uma probabilidade de melhorar fazendo uma dieta sem amido, resolvi, de imediato, começar. Eu sempre fui um pouco céptica em relação a dietas, mas… eu que poderia perder?

No dia 1 de Dezmbro de 2007 a minha dieta alterou-se completamente. Nas semanas anteriores, programei listas de compras, ementas, receitas. Tudo estava pronto para por à prova a dita dieta.Posso dizer que foi um pouco difícil. Eu sempre gostei muito de comer. De manhã, o pão acabado de chegar da padaria… e as batatas, o arroz. Mas, tinha de ser.

No início dizia, para mim mesma, que “no Natal, vingo-me nos pastéis de bacalhau da minha mãe”, contudo, com o passar dos dias, depois de ler alguns testemunhos de pessoas que se encontravam a fazer esta dieta – testemunhos bastante promissórios – a ideia de não seguir a dieta, durante as festas, foi-se desvanecendo.

Um dia, acordei de um sono tão repousante. Sentia-me bem. Levantei-me e, depois de me arranjar, saí de casa. Ao caminhar, apercebi-me que estava muito frio. E, eu só estava de camisola!

Sempre com frio, sempre doente – principalmente, em dias frios de nevoeiro… como é que eu conseguia andar?

Esse foi o primeiro dia do resto da minha vida!

Primeiro, não atribuí nada à dieta. Só me perguntava o que é que se estava a passar…

A minha mãe liguou-me cedo. Ela sabe bem como eu fico, quando o tempo piora. A sua reacção foi igual à minha: espanto… e muita alegria! Depois de tantos anos… um dia sem dor!

Eu já não me lembrava como era estar sem dores!

“Só pode ser da dieta” – disse a minha mãe e, depois de pensar um pouco, concordei.

Afinal, parece que sim. A dieta resulta…